Textos


DITO, O ERUDITO
 
A língua,
a coisa mais linda
do mundo.
 
O pólen,
a mais poderosa.
 
O verbo
invisível.
O substantivo
sobressalente.
 
Se não se consegue dizer dum jeito,
diz-se doutro.
 
Doutor e camponês.
 
Pra descrever
o gameta,
letra.
Cabe um livro
na caneta.
 
A enxada,
do cabo ao calo.
Do be ao ele,
ele sabe.
Cabe um campo
no cabo.
 
O idioma,
que tem o de do dicionário do doutor,
e a semente,
que passa pelo campo todo do camponês,
morrem infinitamente,
com dois sentidos,
do título ao epílogo,
e infindáveis sentimentos
em todo meio...
de cultura,
de cultivo.
 
O douto
molha o dedo na língua.
E descansa no domingo.
O matuto
cospe na palma da mão.
E todo dia é segunda-feira,
segundo a lida.
 
Página de papel.
Folha de ferramenta.
Instrumentos que se misturam,
de flor e fascículo, fruto e força,
pastagem e passagem; pense numa ponte de paz e pau.
 
Os lápis e as limas
são do mesmo tamanho.
Mas o lápis
é que deveria ser do camponês.
Singular e plural
dum jeito só.
Ao doutor,
deixaria a lima,
que ele pensaria
ser de descascar.





/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/|
 
 
 
 
__________
#foto#
quando: 17/12/2020
onde: Uganda, Buinde
por: Andalaquim
Andalaquim
Enviado por Andalaquim em 21/12/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários