× Capa Textos Livro de Visitas Contato
Grilo Tritri
/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/|
Textos
A ALMA DE AGAMORU
 
Quando adolescente, eu tinha um sonho ilusório: recompor todas as matas ciliares cortadas dos cursos d’água que cortam minha cidade natal, em especial os rios Sapucaí-Mirim e Capivari.
 
Não bastasse começar a sonhar, a semente da ilusão ia adiante. Uma vez as margens dos rios reflorestadas, eu me imaginava numa canoa navegando por eles, vendo a úmida e densa vegetação rasteira, arbustiva e arbórea e sentindo, satisfeito, os rios sorrindo, caudalosos e cristalinos.
 
A ilusão germinava, não parava, seguia em frente. Eu me imaginava já batizando a canoa com um nome que soa saído de uma das línguas dos povos que protegem as florestas: “Agamoru”, composto de “amor” e “água”. Vindas da árvore, a canoa e a água. Vidas da árvore, juntas, fluidas.
 
O sonho das matas ciliares realizei dentro da possibilidade real e não da ilusão. Com meu pai e seus colaboradores, recompusemos toda a vegetação das margens das nascentes de água da fazenda de meus pais e tios.
 
Já o sonho da canoa sinto que realizo a cada verso navegado, no curso das palavras, protegidas por letras ciliares, desaguando e se encontrando em poemas que são mares. A cada composição, plantios... não nas margens, mas dentro dos rios. Assim, se compõe A Alma de Agamoru e o espírito do povo que com ela sangra e singra.





/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/|




__________
#foto#
quando: 13/10/2019
onde: Uganda, Parque Nacional Impenetrável de Buinde
por: Andalaquim
Andalaquim
Enviado por Andalaquim em 10/05/2020
Alterado em 10/05/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários