× Capa Textos Livro de Visitas Contato
Grilo Tritri
/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/|
Textos
PULIÇA! PÓPRINA...
 
A viagem seria longa: trezentos quilômetros. Pode até não parecer tão longa. Mas as condições da estrada faziam a viagem ser mais longa do que realmente era. A viagem seria, além de longa, muito empoeirada: era a estação seca; trezentos quilômetros em estrada de terra. Oito horas de viagem, exatamente. Oito horas de pura poeira.
 
Era a terceira vez, das três, que eu viajava da cidade de Kigoma para a vila de Muhange. Começávamos a jornada sempre de madrugada e só parávamos na cidade de Kibondo, a uma hora do destino final, para tomarmos café-da-manhã e nos reunirmos com o governador do distrito para recebermos a autorização protocolar dele para a realização da atividade a que nos propúnhamos. Para não perdermos a viagem, ligávamos uma semana antes para obtermos uma pré-autorização oficial, depois da qual começávamos a preparar a agenda, a equipe e os materiais necessários para o treinamento. Dessa vez, a equipe era só o motorista e eu. 
 
Nas três viagens que fiz à vila de Muhange, o governador sempre autorizou as visitas e deu aval aos treinamentos. No entanto, nessa ocasião, a viagem quase foi desastrosa por causa de outras autoridades.
 
Tivemos que parar antes da parada programada. Tínhamos saído de Kigoma, cruzado todo o distrito de Kasulu e, então, chegado à ponte que dá acesso ao distrito de Kibondo. Fomos parados por dois militares saídos do meio do mato e cada qual armado com uma metralhadora. Pensamos o pior: saídos do mato e armados; seriam guerrilheiros daquela fronteira conflituosa?
 
Meu motorista era um refugiado dessas zonas de conflito. E, rapidamente, ele me aconselhou: “Deixa que eu resolvo. Fale nada em inglês nem em suaíle. Só fale em português.”. Eu acompanhei o diálogo todo entendendo o que se passava, mas fingindo entender nada.
 
Pediram o documento do veículo; foi entregue; tudo certo com ele; foi devolvido. Pediram o documento do motorista; foi entregue; tudo certo com ele; foi devolvido. Pediram, então, meu passaporte; foi entregue; “tudo certo” com ele; foi devolvido. Tudo certo com ele, na verdade, não estava. Meu visto era de turista. E aquela não era uma rota de turismo. Somando-se a isso, nosso carro, com equipamentos de trabalho, denunciava que minha atividade principal não era de turista. Devolveram o documento dizendo nada. Senti um alívio. Só o fato de devolverem-no já foi um alívio.
 
Nos meus sete meses iniciais na Tanzânia, em 2010, trabalhei ilegalmente, com visto de turista. Quando meu visto estava para expirar a primeira vez, fui à R. D. do Congo num fim de semana, durante o qual o visto venceu, e, na volta, consegui mais três meses de visto de turista na Tanzânia. Já quando esse novo visto estava para expirar, fiz o mesmo, desta vez indo a Burundi e voltando.
 
Continuaram a inspeção do nosso veículo, pedindo, dessa vez, para ver o macaco e o pneu reserva. Tínhamos ambos em boas condições. Então, um deles olhou firmemente para o nosso carro e disse:
__Não podemos liberá-los.
__Se vocês não encontraram problema, qual o problema então?
__Seu carro está sujo!
Entre sentindo-se nervoso e achando aquilo engraçado, o motorista redargüiu com serenidade e seriedade:
__Isso é estrada de terra, soldado!
__Não importa.
__Isso não existe.
__Existe sim. É a lei!
__Sua lei...
__Pague-nos a multa e a gente os libera.
__Quanto é a multa?
__Só dez mil xelins.
__Nunca!
 
A ponte estava a menos de dez metros atrás de nós. E o rio, sob a ponte, estava a poucos metros abaixo de nós. Tínhamos no carro, em meio a todo material de trabalho, dois baldes novíssimos, sendo um grande e outro pequeno, que eu tinha comprado um dia antes para serem usados no treinamento. Coisas do destino. O menor era para eu ter furado no dia anterior. Eu o deixaria como uma peneira em forma de balde, usando pregos quentes para furá-lo. E, conjuntamente ao balde maior, eles formariam uma estação de boiamento de café. Sorte que eu deixara o passo de furar o balde pequeno para ser parte da parte prática do treinamento, e ele estava intacto. Os baldes seriam usados pela primeira vez na remota vila, mas os batizamos no rio, pegando a água com a qual lavamos o carro. E seguimos comendo poeira com a alma lavada.





/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/|




__________
#foto#
quando: 01/09/2010
onde: Tanzânia, Kigoma, Kasulu-Kibondo
por: Andalaquim
Andalaquim
Enviado por Andalaquim em 29/12/2019
Alterado em 10/05/2020
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários